Descubra a diferença entre as metodologias ágeis

Descubra a diferença entre as metodologias ágeis

Scrum, DAD, Lean e SAFe. Essas são apenas algumas metodologias ágeis que certamente já apareceram ao longo das suas pesquisas sobre o tema. Mas qual é a diferença entre cada uma delas? O Consultor de Engenharia de Software e Líder da iniciativa de P&D da OneForce, Tiago Moura, vai nos ajudar a responder a essas dúvidas.

Para começar, vamos entender um pouco mais sobre as boas práticas e princípios de 4 entre as principais metodologias ágeis disponíveis no mercado.

Scrum

Entre os frameworks mais utilizados e conhecidos (não apenas para o desenvolvimento de softwares) o Scrum integra um conjunto de práticas e princípios voltados basicamente para a execução. “Uma das boas práticas do Scrum é que os times tenham até 10 pessoas, portanto, são equipes enxutas”, pontua Tiago.

São cinco as práticas básicas de um projeto Scrum: planejamento de entrega, planejamento do sprint (ciclo no qual o projeto é dividido), reunião diária, reunião de revisão do sprint e retrospectiva do sprint. Também existem os papéis bem definidos do Product Owner (ponte entre o negócio e o time), do Team Member (equipe de desenvolvimento) e do Scrum Master (responsável pelo gerenciamento do time).

“O Scrum surgiu para solucionar problemas relacionados à etapa de execução dos projetos e, por isso, deixou alguns gaps como: dificuldade de integração entre equipes distintas e gestão das fases de nascimento e entrega do projeto”, afirma Tiago.

DAD

Considerado um framework híbrido, o DAD é mais robusto por integrar melhores práticas de diversas metodologias ágeis. Do Scrum, por exemplo, adota o conceito de Product Owner. Do XP, incorpora a integração contínua, refatoração e testes automatizados. E do Kanban, agrega os conceitos de visualização do trabalho e limitação do “work in progress” (trabalho em andamento).

Enquanto algumas metodologias focam no software, o DAD prevê que questões relacionadas a hardware, documentação e até estrutura organizacional sejam contempladas na solução final. O framework, possui, por isso, práticas que abordam experiência do usuário (User Experience, UX), processos de negócio e banco de dados, para auxiliar as equipes de projeto a pensarem além do simples desenvolvimento do software.

“O DAD, assim como outras metodologias ágeis, surgiu para resolver algumas questões que ficaram em aberto no Scrum. Entre elas, a gestão de todo o ciclo de vida do projeto, já que o Scrum foca muito na execução”, explica Tiago. O DAD prevê práticas que considerem desde o início do projeto, passando pela construção até a entrega da solução para a produção.

Lean

Nascido na fábrica da Toyota nos anos de 1940, o Lean foi responsável por mudar a forma como as empresas em todo o mundo realizavam a produção em massa.

Os conceitos criados pela metodologia inspiraram o mercado de software que adotou as práticas para conferir não apenas agilidade às equipes, mas também reduzir custos, melhorar a tomada de decisões, ampliar a qualidade dos produtos e garantir o cumprimento dos prazos.

“Não é por acaso que, hoje, o Lean inspira muitas outras metodologias ágeis. Seus princípios são considerados boas práticas que podem ser aplicadas a qualquer framework”, afirma Tiago.

São 7 os princípios do Lean aplicados ao software

Elimine desperdícios

  •    Inclua a qualidade no processo
  •    Crie conhecimento
  •    Adie decisões e comprometimentos
  •    Entregue o quanto antes
  •    Respeite as pessoas e empodere a equipe
  •    Otimize o todo

O detalhamento de cada um deles pode ser visto aqui.

SAFe

Baseado nos princípios Lean-Agile, o framework permite escalar práticas ágeis para grandes projetos e empresas. “O SAFe pode não apenas ser aplicado em grandes equipes como também permite a integração entre times distintos”, detalha Tiago.

Baseado em um diagrama, conhecido como “The big picture” – no qual são definidos todos os fluxos, papéis e atividades – o framework não limita sua abordagem apenas à área de software ou a equipes isoladas, estendendo sua abrangência para toda a organização.

Estruturado em três níveis (time, programa e portfólio), a metodologia SAFe considera a organização das equipes de acordo com os talentos e habilidades de cada profissional, a integração do trabalho entre diferentes times e áreas e a gestão das demandas organizacionais.

 

Mas como escolher a melhor metodologia ágil para o seu time de desenvolvimento de software? Vamos responder a essa pergunta no post da próxima semana. Assine a nossa newsletter e fique por dentro das atualizações do blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *