Como desenvolver um software de qualidade?

Como desenvolver um software de qualidade?

Quem nunca participou do desenvolvimento de um software que ficou acima do orçamento? Ou foi entregue fora do prazo? Ou que não atendia às especificações do cliente? Ou, pior, que possuía uma combinação de vários desses problemas?

Se você se identificou com alguma dessas situações, não fique desanimado. Segundo o último relatório anual divulgado pelo Standish Group, apenas 29% dos projetos de desenvolvimento de software são bem-sucedidos, ou seja, entregues dentro do prazo, respeitando o orçamento e com resultado satisfatório. E, por mais que a tecnologia, soluções e ferramentas evoluam, pouca coisa mudou nos últimos anos. Em 2011, o percentual de fracassos era exatamente o mesmo.

“Boa parte desse resultado pode ser explicado pela dificuldade das empresas em evoluírem seus processos. Enquanto os softwares estão cada vez mais complexos, com menos recursos e prazos pressionados por conta da velocidade de mudança do mercado, muitas equipes ainda trabalham com processos em cascata, manuais, sem colaboração e sem ferramentas unificadas que garantam às atividades transparência e visibilidade”, afirma o CEO do CAMSS Group, Hugo Azevedo.

Para ajudar a sua empresa a entrar nesse seleto grupo de quase 30% de projetos com resultado positivo, nós, da OneForce, listamos três práticas que devem ser consideradas. “Claro que existem várias outras que podem ser apontadas como recrutamento de profissionais capacitados, expertise da liderança e visão clara dos objetivos do projeto. Queremos destacar aquelas com maior impacto na cultura organizacional e na forma de trabalhar, e, consequentemente, com maiores reflexos sobre a qualidade”, explica Hugo.

Boas práticas para o desenvolvimento de softwares

1 – Automação

Em um mercado que exige lançamentos cada mais frequentes, automatizar operações como de teste e deploy é crucial para garantir a qualidade das entregas, uma vez que reduz a interferência humana nos processos e, consequentemente, os erros.

“Empresas que ainda realizam trabalhos manuais ou semi-roteirizados estão mais sujeitas a falhas, inatividade do ambiente e até prejuízos financeiros e de imagem provenientes desses problemas”, alerta Hugo. Outros benefícios da automação incluem:

  • Disponibilidade: Quanto mais curtas as implantações, menores serão as janelas de interrupção. Isto pode significar uma redução no impacto de sistemas que geram receitas na produção.
  • Rastreabilidade: As melhores soluções de automação de implantação também oferecem visibilidade, controle de versões e automatizam relatórios sobre o que está aonde, quem implantou, quem aprovou e como o processo de implantação foi desenvolvido, criando uma base sólida para novas melhorias.

2 – Metodologias ágeis

Detalhamos nos dois últimos posts do blog as principais metodologias ágeis disponíveis no mercado e as boas práticas e princípios característicos de cada uma delas.

Fazer essa escolha é fundamental para criar um ambiente dinâmico de produção, que esteja focado no time e na interação entre os membros da equipe, que priorize o desenvolvimento de softwares que atendam às necessidades do cliente, que envolva o usuário na tomada de decisões e que esteja preparado para se adaptar às constantes mudanças necessárias à medida em que novas demandas e requisitos surgem.

“Desenvolver a maturidade em um framework pode ser a base, inclusive, para a adoção de outras metodologias como o próprio DevOps, outra prática importante para se aperfeiçoar a qualidade dos softwares”, lembra Hugo.

3 – Ferramenta de gestão

É fundamental ter uma plataforma única e centralizada na qual todos os integrantes da equipe possam ter uma visão global do projeto, onde quer que estejam, garantindo visibilidade, transparência e integração. “Isso é ainda mais importante para times que estão dispersos geograficamente ou frequentemente em trânsito”, lembra Hugo.

Ter um local único para armazenar todos os documentos importantes do projeto, onde seja fácil visualizar as entregas realizadas, tarefas e prazos, assim como quem é responsável pelo que, certamente terá impactos na qualidade do produto final. “Todos estarão caminhando juntos, inclusive com visão clara da carga de trabalho, possibilitando realocações rápidas, reações imediatas a mudanças, comunicação frequente, tomada de decisões mais embasadas e uma série de outras vantagens”, pontua Hugo.

Em parceria com a IBM e a Projectplace, oferecemos soluções capazes de atender a cada uma das boas práticas pontuadas, garantindo melhores resultados para o seu negócio. Entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *