O papel das lideranças em uma estratégia bem-sucedida de DevOps

O papel das lideranças em uma estratégia bem-sucedida de DevOps

Uma das principais discussões trazidas pelo relatório “State of DevOps Report 2017” – que começamos a detalhar neste post – diz respeito ao papel das lideranças na transformação das equipes.

Segundo o levantamento, até 2020, ou seja, daqui pouco menos de 3 anos, em organizações digitais, metade dos CIOs que não transformarem as habilidades de seus times serão afastados de seus cargos.

 

CIOs e as habilidades das equipes

CIOs e as habilidades das equipes

 

 

QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DE UM LÍDER DEVOPS?

“A transformação DevOps passa, principalmente, por uma mudança da cultura organizacional. E quem melhor do que as lideranças para conduzir esse processo de virada? Os líderes são fundamentais para motivar as equipes a adotarem as boas práticas e a incorporar a mentalidade e atitude DevOps”, reconhece o Consultor DevOps da OneForce, Renato Nascimento.

 

O relatório destacou 5 dimensões que devem fazer parte de qualquer líder que esteja à frente de equipes que passam pela transformação DevOps:

 

  1. Visão: tem um conceito claro da direção para a qual a empresa está indo e onde deverá estar em cinco anos.
  2. Comunicação inspiradora: comunica de uma forma que inspira e motiva, mesmo em um cenário incerto e de mudança.
  3. Estímulo intelectual: desafia as pessoas ao seu redor a pensar nos problemas de outras formas.
  4. Liderança apoiadora: demonstra cuidado e consideração com os sentimentos e necessidades dos demais.
  5. Reconhecimento pessoal: elogia e reconhece o alcance de objetivos e melhorias na qualidade do trabalho; cumprimenta pessoalmente aqueles que fazem um excelente trabalho.

 

Veja abaixo outras características esperadas dentro dessas 5 dimensões:

As 5 dimensões esperadas de um CIO numa estratégia de DevOps

As 5 dimensões esperadas de um CIO numa estratégia de DevOps

 

RELAÇÃO COM A PERFORMANCE DAS EQUIPES

 

Segundo o relatório, as características dos líderes de TI estão diretamente relacionadas ao desempenho das equipes e ao resultado geral dos projetos. Equipes com líderes menos transformadores possuem metade das chances de apresentarem uma alta performance de TI.

 

Apesar de cruciais, lideranças que englobem todas as cinco dimensões citadas não são suficientes para uma transformação bem-sucedida. “O sucesso de uma iniciativa de DevOps também depende de uma arquitetura adequada, boas práticas técnicas, aplicação de princípios de gerenciamento lean e todos os demais aspectos estudados ao longo dos anos”, pontua o estudo.

 

“O relatório conclui que esses líderes são os facilitadores do processo de adoção de DevOps. São eles que ajudam a formar os times e os estimula a implantar as técnicas e práticas de entrega contínua e consolidar as metodologias ágeis. Eles são a base do desenvolvimento dessa nova cultura”, acrescenta Renato.

 

AUTONOMIA PARA AS EQUIPES DE DESENVOLVIMENTO

 

Uma das mudanças de postura sugeridas pelo levantamento é que as lideranças deem autoridade para que as equipes de desenvolvimento criem e mudem especificações durante o processo de desenvolvimento. Isso significa que esses times poderiam mudar os rumos do desenvolvimento durante o voo, ou seja, à medida em que novas descobertas são feitas e informações são geradas.

 

O que o relatório discute é que, em muitas organizações, as equipes de desenvolvimento são obrigadas a seguir requisitos criados por outras equipes. Esse tipo de prática impede que os feedbacks dos clientes sejam rapidamente incorporados ao processo de desenvolvimento o que, consequentemente, aumenta o risco de se entregar funcionalidades que não atendam às necessidades dos usuários.

 

“No atual cenário, os desenvolvedores têm que fazer mais do que simplesmente desenvolver. Eles também precisam se envolver nas etapas de teste, levantamento de requisitos com os usuários finais e alinhamento do que está sendo criado com as necessidades e objetivos gerais do negócio. Eles precisam se sentir responsáveis pela entrega final e não somente pelas atividades que lhe são passadas.”, destaca Renato.

 

Existem várias técnicas previstas nos frameworks ágeis para acompanhar essa autonomia conferida à equipe de desenvolvimento. “Uma delas, por exemplo, são os quadros Kanban, que permitem que as atividades fiquem visíveis para todas as equipes.” Quanto mais cedo os feedbacks forem incorporados ao ciclo de desenvolvimento das aplicações, maiores são as chances do resultado final se aproximar das expectativas do cliente.

 

Leia o relatório completo para saber mais sobre o universo de DevOps. No nosso blog você também irá encontrar vários posts sobre o tema. Continue nos acompanhando. Até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *