Sistema Kanban
Sistema Kanban e a eficiência na gestão de tarefas
agosto 1, 2017
Mostrar tudo

Por que as startups precisam pensar em gerenciamento de projetos?

Por que as startups precisam de gerenciamento de projetos?

 

Por Renato Nascimento

Parecem dois mundos muito distantes. De um lado, uma prática que pressupõe a criação de procedimentos, controle de prazos, documentação de processos, relatórios. Do outro, o espírito inovador, a predisposição a riscos, a flexibilidade e a agilidade de um mercado que está em constante mudança.

Para muitos, essa agilidade exigida pode se opor à gestão de projetos justamente por essa última pressupor processos bem definidos e práticas que podem ser consideradas burocráticas demais.

Ainda muito associado a projetos, digamos, tradicionais, ou à velha guarda do mundo dos negócios, o gerenciamento de projetos pode trazer muito mais benefícios para as startups do que elas mesmas imaginam. Afinal, ao contrário do que se possa imaginar a princípio, as caracteriscticas de uma statup exigem na verdade um eforço ainda maior de organização, planejamento e acompanhamento.

 

CONTROLE DE RISCOS

É justamente por estarem em um ambiente de maior risco e por terem recursos financeiros e humanos extremamente escassos que as startups precisam se estruturar de forma inteligente e organizada. Caso contrário, correm o risco de se ver às voltas com objetivos conflitantes entre os membros, falta de metas e prioridades, dificuldade em definir o real valor que entregam e, por fim, problemas financeiros e de posicionamento de mercado.

Questões básicas para qualquer empresa como: divisão do trabalho entre as equipes, controle de prazos e custos, gestão de risco e definição de metas e objetivos precisam fazer parte do dia a dia das startups.

Por mais flexíveis que possam ser, também precisam cumprir prazos para lançamento de produtos (time to market), avaliar questões envolvidas em uma pivotagem, considerar estratégias de marketing, entre vários outros fatores que somente uma gestão de projetos bem feita poderá cobrir.

É difícil pensar em um crescimento sustentável sem que haja um controle mínimo dos processos em andamento.

 

METODOLOGIAS ÁGEIS

É importante destacar que quando se fala em gestão de projetos para startups, considera-se aquela baseada em práticas ágeis de gerenciamento. É preciso trabalhar com ciclos pequenos e constantes de feedback e estabelecer um ambiente colaboartivo e transparente.

Somente por meio de frameworks ágeis é possível ter uma gestão de projetos que considere a versatilidade e capacidade de mudança que uma startup exige.

 

CAMINHO PARA O SUCESSO

Por não preverem ou darem o devido valor à gestão de projetos, muitas startups estão enfrentando uma morte prematura. A prática de conceitos básicos traz a clareza e o foco que a empresa precisa para dar passos mais largos rumo ao sucesso de mercado.

Uma boa gestão de projetos ajuda a definir as prioridades, avaliar escopo, dividir cargas de trabalho, gerenciar os invetimentos e orçamentos e traz outros benefícios fundamentais. Uma pessoa responsável pela tarefa de gerente de projetos ajuda a manter a coesão do time, garante que todos estejam na mesma página e que estejam caminhando juntos para o mesmo propósito.

Startups que oferecem serviços ao mercado se beneficiam ainda mais da gestão de projetos, já que cada par de serviço e cliente pode ser enxergado como um projeto que precisa ter escopo, prazo, orçcamento, recursos, qualidade e riscos gerenciados. Afinal, garantir a satisfação do cliente é fundamental para a sobrevivencia e crecimento do negócio.

 

POR ONDE COMEÇAR?

Como já disse, os recursos são escassos e, por isso, uma startup terá mais dificuldades para bancar um profissional dessa área. Mas nem tudo está perdido.

Considerando que essas empresas vivem em um ecossistema colaborativo, uma opção seria compartilhar esse profissional. “É cada vez mais comum estabelecer esse convívio em busca de benefícios mútuos. Esse profissional ou um escritório especializado pode trabalhar de forma distribuída, suportando o ecossistema como um todo”, afirma Renato.

Além disso, existem ferramentas online que podem auxiliar as empresas a manterem as tarefas organizadas com os respectivos responsáveis e prazos de execução.

Mesmo no pior cenário, onde não há como se ter o apoio de um profissional especializado, o importante é que uma pessoa interna seja designada então como “gerente de projetos” e que se dedique a garantir que a estrutura rode e, principalmente, para manter a coesão entre as atividades e as metas estabelecidas.

Renato Nascimento
Renato Nascimento
Renato é um dos consultores da OneForce e possui vasta experiência em engenharia de software com atuação tanto no Brasil quanto no exterior. É especialista em definições de processos de desenvolvimento de software, aplicando práticas de metodologias ágeis, de DevOps e também de modelos de maturidade como CMMI e MPSbr. É graduado em Ciência da Computação e mestre em Engenharia Elétrica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>